8.21.2014

SAVED IN MY HEART


"Saved in my heart"
52 x 21 cm


"Saved in my heart"
52 x 21 cm


"Saved in my heart"


"Saved in my heart"

8.16.2014

OPENS MY HEART



"Opens my heart"
50 x 23 cm



"Opens my heart"

8.04.2014

AMOR



"Amor"

Acrylic on canvas  l   80 x 80 cm

7.31.2014

LIGHT OF MY HEART



"Light of my heart"
52 x 21 cm



"Light of my heart"

6.04.2014

SOPRO


"Sopro"

Acrylic on canvas  l   80 x 80 cm

5.15.2014

DESAMOR


"Desamor"

Acrylic on canvas  l   80 x 80 cm

5.06.2014

SETEMBRO


"Setembro"

Acrylic on canvas  l   80 x 80 cm

4.27.2014

4.18.2014

ALICE


Alice
80 x 80 cms  •  da série "Os Meus Olhos Não São Meus"

2.25.2014

O POETA É UM FINGIDOR



"O Poeta é um fingidor"
50 x 80 cm

1.14.2014

O DIVINO DESCONFORTO

"Só quem está no convento, sabe o que se passa lá dentro"

Provérbio popular português, cuja mensagem deixa subentender que só quem está de facto por dentro de uma determinada situação, tem capacidade para a avaliar.
Transportando este conceito para o mundo do calçado, quem estreia um sapato, pode mostrar um maravilhoso sorriso que transborda felicidade mas na realidade a dor pode ser tremendamente lancinante enquanto o mesmo não se adapta aos contornos do pé.
Assim, na peça "O Divino Desconforto", as flores, cândidas e suaves representam a delicadeza e a pureza das formas, o conforto apetecível que se pode ler no sorriso de quem usa os sapatos. Por outro lado, os espinhos representam o que na realidade vai na alma dessa mesma pessoa... uma dor profunda, como se o sapato fosse ele mesmo, o convento e portanto, "Só quem está no convento, sabe o que se passa lá dentro"


Ricardo Passos
(Projecto Andante)









FINE ARTS BY THE SEA - ZARCO ACADEMY OF ARTS




O terminal de cruzeiros do Porto do Funchal acolhe a exposição colectiva 'Fine Arts by the Sea', a segunda edição da Zarco Academy of Arts. Ricardo Passos participa pela segunda vez neste evento, com 4 obras. Desta vez, da série "Os meus olhos não são meus"


10.04.2013

A MINHA MUSA É UMA MULHER (QUE TENHO) A DIAS - Galeria Vieira da Silva - Pavilhão de Macau


A minha Musa é uma mulher (que tenho) a dias

A minha Musa excêntrica dorme só num sótão por cima de mim. Já ali. Ainda é virgem mas ninguém sabe. Talvez por isso, todos os dias a pinto quase nua, de pernas abertas ou esgazeada de perfil, entre pássaros e pénis com asas, noutras posições esdrúxulas ou de pés a sangrar por mim. O Cheiro do peixe cru incomoda-a muito e até já a vi com um cesto de crianças nos braços. Somos muito parecidos mas eu não depilo as pernas. Só a alma. Há dias escrevi-lhe uma mensagem: O nosso amor ade acabar cando esta pomba buar. Nunca me respondeu, a ingrata! Acho que me abandonou. E agora que farei? Ajuda-me Fernando, esta minha e desamparada Pessoa.
José António Rousseau



















Coreografia e dança apresentada na inauguração por André de Campos
Poemas que acompanham as obras, da autoria de José Manuel Pereira

OS MEUS OLHOS NÃO SÃO MEUS - Espaço Sarmento











5.12.2013

QUERO UM BARABATO BOLO


Quero um barabato bolo
30 x 30 cms  •  da série "Os Meus Olhos Não São Meus"